Últimas Notícias
recent

EXCLUSIVO: ENTREVISTA COM IZABELLA SANGALLI


MEDALHA DE OURO NOS JOGOS PAN-AMERICANOS DE LIMA, ALA DO ITUANO BASQUETE FALOU COM EXCLUSIVIDADE PARA O MOMENTO do ESPORTE E DEU UM SHOW DE SIMPATIA E HUMILDADE NUMA CONVERSA COM O JORNALISTA DANIEL NÁPOLI. GRANDE PESSOA, EXCELENTE ATLETA

Ala do Ituano Basquete, Izabella Sangalli de 24 anos, natural de Americana/SP, recentemente se sagrou campeã dos Jogos Pan-Americanos de 2019, disputados em Lima, no Peru.
Com contrato renovado com o clube de Itu, Iza fala em entrevista ao MOMENTO do ESPORTE, sobre a conquista com a Seleção Brasileira e o Ituano Basquete, que se prepara para a disputa do Campeonato Paulista, com início marcado para setembro. Confira!

Momento do Esporte – Como surgiu o seu interesse pelo basquete?
Izabella Sangalli – Quando era mais nova, queria muito fazer um esporte e aí passou na TV uma matéria do Bruno Fiorotto (atualmente no Basquete Cearense)  que é um primo de segundo grau meu e na época, eu, uma criança com 10 anos, vi aquilo e fui atrás. Minha mãe (Tânia) foi professora, jogou basquete, me apoiou muito e desde o momento que eu pisei em quadra, eu sabia que era isso o que eu queria. Ressalto que é importante a vitória (no Pan) estar passando na mídia, pois quem sabe traz outras crianças, que assim como eu, viram a TV e comecem a praticar o esporte.


ME - Para você,  como foi a sua emoção ao ser convocada para a Seleção Brasileira e a emoção de estar entre as 12 que foram ao Pan?
IZ - É sempre uma surpresa. A gente treina forte todo dia, esperando ser convocada e poder representar o país. Depois vêm os treinamentos, que são 16 meninas, mas todo mundo querendo o seu lugar e são mais  algumas semanas ali na pressão, dando o seu máximo e felizmente consegui ficar entre as 12 e ir para Lima foi sensacional, não tem outra palavra para descrever. É muita felicidade, um orgulho muito grande você estar ali torcendo para as meninas, estar no time, dar o seu máximo, contribuir da forma que precisar.


ME - Como foi poder integrar o grupo que conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos?
IZ - Foi muito importante. Acho que a gente foi evoluindo a cada jogo, a cada conquista. O time foi crescendo e acreditando cada vez mais. Apesar do Pan não ser classificatório para as Olimpíadas, foi importante para a modalidade, mais gente vendo, assistindo, vibrando, muita gente mandando carinho. Foi importante pra gente, como jogadora, ter alcançado essa conquista.


ME - A Seleção Brasileira  contou com muitas as críticas da mídia especializada no início da preparação.  Como vocês receberam isso? O quanto isso foi importante durante a campanha?
IZ - As pessoas sempre falam muito, cobram muito e às vezes a gente dá o nosso máximo e não consegue chegar, mas dessa vez acho que a gente conseguiu se fechar, a gente não se importou com o que a mídia estava falando, fomos lá para fazer o nosso, o que a gente treinou e deu certo. Espero que a gente continue assim.


ME - Qual a sensação  de subir no lugar mais alto do pódio e ouvir o hino nacional?
IZ - Eu já tinha participado de outras competições, até no Pan de Toronto eu estava presente, com pouca participação também, mas aquela foi uma experiência que frustrou um pouco, pois queríamos ter chego mais longe. Ficamos em quarto lugar. E neste Pan, ter ficado no pódio e ouvido o hino nacional foi emocionante. Acaba o jogo e a gente sai pulando, não sabe se berra, se beija, se abraça, mas na hora que você sobe no pódio e toca o hino nacional é uma emoção que faz tudo valer a pena, o treinamento duro, um sacrifício que faz de estar longe de casa, longe dos pais, de estar em um outro país para tentar ganhar experiência e naquele momento, parece que tudo te preparou para aquilo, é a sua recompensa.

ME - Após a conquista, como foi a sua recepção em Americana?
IZ - A minha família sempre me apoiou muito, meus pais não perdem um jogo aqui (em Itu) e quando eu cheguei lá (em Americana), minha família estava me esperando na rua, fez uma festa enorme, me jogaram na piscina, a gente chorou de emoção, estavam comemorando o Dia dos Pais, foi muito bom. A gente vibra com as meninas (em quadra), mas a gente quer mesmo é chegar na família, dar um abraço e agradecer por tudo o que eles fizeram. É sensacional.


ME - Com contrato renovado com o Ituano Basquete até o final do ano, o que o torcedor pode esperar de você para a disputa do Campeonato Paulista?
IZ - Muita determinação, muita raça, vou vibrar muito em quadra, vou tentar dar o meu melhor, porque a gente sente esse gostinho de vitória e quer sempre mais. A gente volta com mais vontade de treinar, de melhorar eu sei que eu tenho muitas limitações, tenho que melhorar o chute, o passe, o drible, então eu vou treinar para isso e procurar ajudar a equipe no Campeonato Paulista.

ME - Qual conselho você gostaria de deixar para as crianças que estão começando a ingressar no esporte?
IZ - Que treinem duro, que não meçam esforços para dar o seu máximo, viajar. É difícil, tem que abrir mão de muita coisa, mas a recompensa vem. É como se você estivesse plantando uma sementinha e no futuro você colhe os frutos.


Moura Nápoli

Moura Nápoli

Um comentário:

GUARANI E ITUANO DUELAM E NINGUÉM PODE PERDER

Z-4: GALO NÃO QUER ENTRAR, BUGRE QUER SAIR. JOGO SERÁ DECISIVO Na noite desta terça (28), Guarani e Ituano fazem um jogo absolutamente dec...

O GRANDE PARCEIRO

Tecnologia do Blogger.