Últimas Notícias
recent

ENTREVISTA: CADUM CARDOSO GUIMARÃES


CAMPEÃO PAN-AMERICANO EM INDIANÁPOLIS-1987 FALA SOBRE CARREIRA E TRAJETÓRIA VITORIOSA DA FAMÍLIA NO BASQUETE

Por Daniel Nápoli

Ricardo Cardoso Guimarães, o Cadum, indiscutivelmente é um dos grandes nomes do basquete masculino brasileiro. Ex-armador de clubes como Pinheiros, Monte Líbano, Flamengo, Sírio, Palmeiras, Dharma Franca e Unitri Uberlândia, além  e uma trajetória de sucesso pela Seleção Brasileira, em que teve como ponto alto a conquista do ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis-1987, tem sua história no esporte iniciada antes mesmo de seu nascimento.

Para quem não sabe, Cadum é filho da ex-jogadora da Seleção Brasileira Feminina de Basquete Maria Aparecida (Cida - foto) - bicampeã sul-americana em 1954 e 1959 e sobrinho de Maria Helena Cardoso, ex-jogadora campeã  dos Jogos Pan-Americanos de Cali-1971 e bronze no Mundial do mesmo ano, além de títulos pelo Sul-Americano. Sua tia também foi técnica do Brasil entre os anos de 1986 e 1992, conquistando o ouro nos Jogos Pan-Americanos de Havana-1991, além de levar o basquete feminino para disputar sua primeira Olimpíada no ano de 1992.

Ao MOMENTO do ESPORTE, Cadum, que também é filho do ex-jogador Eduardo Guimarães, o Dado, fala com orgulho sobre como foi crescer em meio a nomes tão importantes para o basquete brasileiro. “Foi uma coisa sensacional. Toda minha infância, o assunto das reuniões de família sempre foram relacionadas ao esporte e principalmente ao basket. Minha mãe pediu dispensa do Pan-Americano de Chicago em 59 pois estava grávida e eu nasci quatro meses depois, ou seja, desde o ventre eu já estava nas quadras de basket e aprendi a amar esse nosso esporte. Com minha tia Maria Helena, tive o prazer de vê-la jogar a partir do Mundial de 71 no Ibirapuera, e foi nesse ano que comecei a praticar o basket regularmente. As duas, e meu pai que também jogava, sempre foram enormes incentivadoras e conselheiras durante toda a minha carreira.”

Clubes
Carreira que começou ainda na infância, aos 11 anos de idade, no Pinheiros. “Joguei todas as categorias de base nesse clube e mesmo jovem já jogava na equipe adulta do clube. Quando saí do juvenil, fui para o Monte Líbano também de São Paulo, onde permaneci por 10 temporadas. Foi o lugar de minhas maiores conquistas de clubes”, revela.

Pelo Monte Líbano (foto), entre 1978 e 1988, o ex-pivô conquistou duas vezes o Campeonato Sul-Americano (1985 e 1986, cinco vezes o Campeonato Brasileiro (1982, 1984, 1985, 1986 e 1987), três Paulistas (1982, 1984 e 1986), além do vice-campeonato mundial em 1985.

 “Depois joguei no Flamengo, Sírio, Palmeiras, Dharma Franca, voltei ao Pinheiros, e depois novamente para o Palmeiras. Depois fui para a Hebraica, para o Unitri Uberlândia, e voltei para a Hebraica onde encerrei minha carreira aos 40 anos.”

Seleção Brasileira
Já com a camisa do Brasil, Cadum teve sua primeira experiência ao disputar o Campeonato Sul-Americano Juvenil de 1977. Um ano depois, foi convocado para a Seleção de Novos. Na Seleção Adulta, a primeira convocação surgiu em 1979, para a disputa do Sul-Americano, sendo figura constante até 1984. Após ter ficado de fora do grupo em 1985 e 1986, retornou em 1987, permanecendo até 1992, ano de sua última participação.

Além do ouro em Indianápolis-1987, o ex-pivô foi campeão Sul-Americano em 1983 e 1989,além de prata no Pan de Caracas-1983 e no Sul-Americano de 1983. Ainda disputou quatro Olimpíadas (Moscou-1980, Los Angeles-1984, Seul-1998 e Barcelona-1992), além de dois Mundiais (Colômbia-1982 e Argentina-1990).

Tendo vivido importantes momentos pelo Brasil, Cadum relembra a trajetória na seleção e a convivência com outros grandes nomes. “Fui um privilegiado por fazer parte da Seleção Brasileira por 12 anos e ter convivido com jogadores excepcionais ao longo desse período. Joguei alguns anos com a geração de Marquinhos, Adílson, Carioquinha, Fausto e depois com o grupo liderado por Oscar e Marcel e que foi medalha de ouro no Pan de Indianápolis. Foi um aprendizado constante conviver com esse grupo todo. Aprendi bastante nas nossas conquistas e também nas nossas derrotas. O mais legal de tudo é a grande amizade que ficou disso tudo. Com Oscar joguei junto a partir de 76 e com o Marcel a partir de 79. Nós três fomos juntos até a Olimpíada de Barcelona em 92. Bom demais.”, recorda.

Nova geração
A família que tem Cida como pioneira, se encontra em uma nova geração basqueteira. Os filhos de Cadum, Guilherme, e João Gabriel, além dos sobrinhos Igor, Eduardo e Victor também seguiram o amor de seus familiares pelo esporte e o praticam.

Orgulhoso em ver a nova geração seguindo o mesmo caminho, Cadum comenta como é a relação. “É ótima. Nunca quis cobrar muito e nem colocar muita pressão. Sempre preferi ser referência pelo exemplo e por minha postura. Mas é claro, que assim como aconteceu na minha infância e na minha formação, dentro de casa em nossas reuniões, a conversa sempre foi e é sobre o basket. Assistimos jogos juntos e nos comentários sempre passo a minha impressão do acontecido e acho que isso acaba servindo de exemplo para as decisões deles”.

Esporte e turismo
Atualmente com 60 anos de idade, o ex-armador que é casado com Ana Regina, ex-jogadora da Seleção Brasileira de Basquete, que chegou a ser treinada por Maria Helena Cardoso, reside na cidade paulista de São José dos Campos (se encontra no município desde 2013), local em que possui uma agência de Turismo, a Cadum Turismo, existente desde 1995.

“Atendo gente e empresas do Brasil inteiro e tenho alguns pacotes específicos de basket tais como grupos de adolescentes para clínicas de basket nos EUA, grupos para acompanhar Mundiais de Basket, grupos de Masters para jogos amistosos nos EUA, entre outros.”, comenta.

Pandemia
Após falar sobre a carreira e a vida atual, é claro que a pandemia do novo coronavírus não poderia deixar de ser citada. O ex-atleta que se encontra em isolamento social, deixa seu recado. “Meu conselho é o que se escuta desde que essa ‘bomba caiu nos colos do mundo’: FIQUE EM CASA. Já são dois meses de confinamento e por aqui não estamos saindo para nada (apenas para as compras essenciais) e procurando nos exercitar sempre que possível. Nesse caso, o basket tem ajudado bastante. Eu e meu filho João Gabriel de 13 anos estamos fazendo trabalho de habilidade, passes e o que mais for possível fazer individualmente”, conta.

Mensagem
Ao concluir a entrevista, Cadum aproveita para deixar uma mensagem aos fãs. “A mensagem que gosto de passar, é uma coisa que me guia desde sempre: TENHA SONHOS E LUTE PARA CONCRETIZÁ-LOS. E não sonhe pequeno, sonhe sempre grande. E no momento que atingir seu sonho, queira mais. Sonhe de novo e corra atrás”, encerra.

Fotos – Acervo Cadum Cardoso Guimarães/CBB

Moura Nápoli

Moura Nápoli

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EX-ITUANO, DENER, SE VIVO, ESTARIA COMEMORANDO 31 ANOS

SE ESTIVESSE VIVO, DENER ESTARIA COMPLETANDO 31 ANOS E CERTAMENTE FAZENDO SUCESSO PELOS CMAPOS BRASIL AFORA O dia 28 de junho trás uma lembr...

O GRANDE PARCEIRO

Tecnologia do Blogger.