Últimas Notícias
recent

OS PAIS E FILHOS DA FÓRMULA 1

NA VÉSPERA DO DIA DOS PAIS, RELEMBRE PILOTOS DA CATEGORIA QUE TAMBÉM TIVERAM SEUS FILHOS COMPETINDO POR ELA


Por Daniel Nápoli

Neste domingo (09), em que se comemora o Dia dos Paib, o Momento do Esporte relembra alguns pilotos que passaram pela Fórmula 1, que anos mais tarde, tiveram a oportunidade de ter seus filhos disputando provas na categoria máxima do automobilismo mundial.

Alguns deles, não tiveram o mesmo desempenho, mas outros até chegaram a superar os números de seus pais.


Graham e Damon Hill

Bicampeão mundial em 1962 e 1968, Graham Hill competiu na Fórmula 1, entre 1958 e 1975 (ano de seu falecimento, em um acidente aéreo). Além dos seus títulos, conquistou na categoria 14 vitórias, 36 pódios e 13 poles positions.

Graham passou por Lotus (1958-1959/1967-1970), BRM (1960-1966), Brabham (1970-1972), Shadow (1973), Lola (1974) e Hill (1975).

Anos mais tarde, em 1992, Damon, seu filho, estreou na Fórmula 1, categoria em que permaneceu até 1999, disputando  122 GPs, vencendo 22 provas, obtendo ainda 42 pódios e 20 poles positions, sendo campeão mundial em 1996.

Com o título, tornou-se o primeiro filho de campeão mundial a também levar a taça, feito somente igualado somente em 2016, por Nico Rosberg (ALE), filho de Keke (vencedor em 1982).

Na Fórmula 1, Damon passou por Babham (1992), Williams (1992-1996), Arrows (1997) e Jordan (1998-1999).


Keke e Nico Rosberg

Entre 1978 e 1986 o finlandês Keke Rosberg atuou na Fórmula 1, vencendo a temporada de 1982, além de obter cinco vitórias, 17 pódios e cinco poles positions.

Keke passou pelas equipes Theodore (1978-1979), Fittipaldi (1980-1981), Williams (1982-1985) e McLaren (1986).

Foi na mesma Williams, que Keke se consagrou, que o filho Nico estreou na Fórmula 1, no ano de 2006, permanecendo até o ano de 2009, se transferindo para a Mercedes.

Na equipe alemã, Nico viveu seu grande período na categoria, faturando o título de 2016, além de 23 vitórias, 56 pódios e 30 poles positions. Obteve ainda um pódio pela Williams em 2008 (totalizando 57 na carreira).

Nico que deixou a categoria após a conquista do título mundial foi ainda vice em 2014 e 2015.


Jack, Gary e David Brabham

Tricampeão da Fórmula 1 (1959, 1960 e 1966), Jack foi dos melhores pilotos de todos os tempos da categoria. Venceu 14 corridas, obteve 31 pódios e 13 poles positions em 128 GPs disputados.

Jack passou pelas equipes Cooper (1955/1957-1961), Maserati (1956) e Brabham (1962-1970), sendo o único até hoje a ser campeão mundial por sua própria equipe.

Duas décadas depois de deixar de correr na Fórmula 1, Jack viu seus filhos Gary e David ingressarem na categoria.

Pela Life, Gary participou de apenas dois treinos classificatórios em 1990 e após não conseguiu se qualificar para nenhuma corrida, deixou a Fórmula 1.

Já David, disputou 24 GPs, tendo duas passagens pela categoria. Uma em 1990, correndo pela Brabham (que já não pertencia a seu pai) e pela Simtek, no ano de 1994. Em ambas as passagens não conseguiu somar nenhum ponto.


Wilson e Christian Fittipaldi

Irmão do bicampeão mundial Emerson Fittipaldi, Wilson Fittipaldi Junior, o Wilsinho, correu na Fórmula 1 nas temporadas de 1972, 1973 e 1974, sendo as duas primeiras pela Brabham e a última pela Fittipaldi.

Em 35 GPs disputados, ver como melhor resultado um quinto lugar na Alemanha, em 1973.

Nos anos 1990, foi a vez de seu filho Christian se aventurar na categoria, disputando 40 GPs, passando por Minardi (1992 e 1993) e Footwork (1994), tendo como melhor resultado, três quartos lugares: um na etapa da África do Sul, em 1993 e dois no ano seguinte, nos GPs do Pacífico e da Alemanha.

 

Mario e Michael Andretti

Com destaque em diversas categorias, principalmente na Fórmula 1 e na Fórmula Indy, Mario competiu na principal categoria do automobilismo mundial entre 1968 e 1972 e posteriormente entre 1974 e 1982, sendo campeão no ano de 1978.

Passando por Lotus (1968-1969 /1976-1980), March (1970), Ferrari (1971-1972/1982), Parnelli (1974-1976), Alfa Romeo (1981) e Williams (1982), disputou 128 GPs, obtendo além do título de 1978, 12 vitórias, 19 pódios e 18 poles positions.

Em 1993, seu filho Michael ingressou na Fórmula 1, porém não ficou nem uma temporada completa na categoria, disputando apenas 13 GPs. Apesar de ter obtido um pódio (GP da Itália), foi substituído pelo finlandês Mika Hakkinen, não retornando mais, indo brilhar na Fórmula Indy.

 

Gilles e Jacques Villeneuve

Pilotando por McLaren (1977) e Ferrari (1977-1982 – até sua trágica morte nos treinos para o GP da Bélgica), Gilles disputou 67 GPs, obtendo seis vitórias,13 pontos e duas poles positions, além do vice-campeonato de 1979.

Até hoje lembrando por seu arrojo e apontando como um provável campeão, não fosse sua morte prematura, deixou seu legado de velocidade: Jacques.

O filho de Gilles marcou definitivamente o sobrenome Villeneuve na categoria ao conquistar o título da temporada 1997, pela Williams, equipe em que esteve entre 1996 e 1999, tendo passado ainda por BAR (1999-2003), Renault (2004), Sauber (2005) e BMW (2006).

Jacques obteve além do título, 11 vitórias, 23 pódios e 12 poles positions. Foi ainda vice-campeão em 1996.

 

Manfred e Markus Winkelhock

Entre 1982 e 1985, Manfred pilotou (até a sua morte) na Fórmula 1 , disputando 47 GPs, somando dois pontos(um quinto lugar no GP do Brasil de 1982), tendo atuado por ATS (1982-1983) e Brabham (1984-1985).

Anos mais tarde, em 2007, seu filho Markus fez uma única corrida na Fórmula 1. Piloto de testes da Syker disputou o GP da Europa, após a demissão do titular Christjan Albers, abandonando a prova por um problema no motor.

Markus não teve tempo para tentar uma trajetória melhor do que a de seu pai, tendo retornando a função de piloto de testes, rumando para outras categorias posteriormente.

Nelson e Nelsinho Piquet

Atuando na Fórmula 1 entre 1978 e 1991, Nelson Piquet foi o primeiro brasileiro a se sagrar tricampeão mundial (1981, 1983 e 1987), obtendo ainda 23 vitórias, 60 pódios e 24 poles positions em 204 GPs disputados.

Nelson correu por Ensign (1978), McLaren (1978), Brabham (1978-1985), Williams (1986-1987), Lotus (1988-1989) e Benetton (1990-1991).


Já seu filho, Nelsinho, competiu na principal categoria do automobilismo mundial, entre 2008 e 2009, longe de seu brilhantismo, apesar de relativo sucesso nas categorias de base.

Em 28 GPs disputados, Nelsinho teve como melhor resultado um segundo lugar no GP da Alemanha de 2008. Um ano depois,acabou demitido antes do final da temporada pela equipe Renault.

Após sua saída, estourou um escândalo em que Nelsinho confessou ter batido seu carro de maneira proposital no GP de Cingapura de 2008, para forçar a entrada do safety-car e assim beneficiar seu companheiro de equipe, o espanhol Fernando Alonso, que acabou vencendo a prova.

O então chefe da equipe Renault, Flávio Briatore, acabou banido para sempre da Fórmula 1 e Nelsinho, apesar do sucesso em outras categorias, acabou marcado pelo episódio.

 

Satoru e Kazuki Nakajima

Competindo na categoria entre 1987 e 1991, Satoru correu por Lotus (1987-1989) e Tyrrell (1990-1991), disputando 74 GPs, obtendo 16 pontos na categoria.

Já Kazuki, seu filho, passou pela Fórmula 1 entre 2007 e 2009, sempre pela Williams. Em 36 GPs, obteve apenas nove pontos, indo competir em outras categorias.


Jan e Kevin Magnussen


Tendo bons desempenhos em categorias inferiores, Jan Magnussen estreou na Fórmula 1 em 1995, pela McLaren, substituindo Mika Hakkinen, que havia se acidentado.

Jan só retornou para a categoria, correndo pela Stewart, permanecendo até a temporada seguinte. No total, disputou 25 GPs, obtendo apenas um ponto.

Seu filho Kevin, compete na Fórmula 1 desde 2014, com passagens por McLaren (2014), Renault (2016) e Haas (desde 2017), tendo como melhor resultado um segundo lugar no GP da Austrália, logo em sua estreia na categoria. O que era um início promissor acabou por ser seu único pódio até o momento, em 105 GPs disputados.

 

Jos e Max Verstappen

Com três passagens pela Fórmula 1 (1994-1998, 2000-2001 e 2003), Jos disputou 107 GPs, obtendo dois pódios, atuando por Benetton (1994), Simtek (1995), Arrows (1996/2000-2001), Tyrrell (1997), Stewart (1998) e Minardi (2003).

Max, seu filho, com a carreira em andamento, na Fórmula 1 desde 2015, já possui números melhores do que o de seu pai. Em 105 GPs disputados, possui oito vitórias, 33 pódios e duas poles positions, ficando em terceiro lugar no mundial de pilotos do ano passado, pela Red Bull.

 

Fotos – Divulgação/Reuters

Moura Nápoli

Moura Nápoli

Nenhum comentário:

Postar um comentário

#TBT DO MOMENTO: QUARTETO FANTÁSTICO

RELEMBRE O CONTEXTO EM QUE FOI FEITA A FOTO MAIS EMBLEMÁTICA DA HISTÓRIA DA FÓRMULA 1 Por Daniel Nápoli Na última quarta-feira (21), a f...

OS GRANDES PARCEIROS

OS GRANDES PARCEIROS
Tecnologia do Blogger.