Últimas Notícias
recent

PSICOLOGIA NO ESPORTE: JÚLIA CRESPO FALA SOBRE SUA ATUAÇÃO NA SODIÊ DOCES/MESQUITA/LSB RJ

PSICÓLOGA INTEGRA COMISSÃO TÉCNICA DE EQUIPE CARIOCA DESDE 2019. AO MOMENTO DO ESPORTE, PROFISSIONAL FALA SOBRE OS DESAFIOS DA PROFISSÃO





Por Daniel Nápoli

Praticar um esporte de alto rendimento como o basquete feminino  exige além de treinamentos físicos e táticos, um excelente preparo psicológico também e com a Sodiê Doces/Mesquita/LSB RJ, que disputa a Liga de Basquete Feminino (LBF) não é diferente.

Formada em psicologia na PUC-Rio em 2016, Gestalt-Terapeuta formada pelo Dialógico Núcleo de Gestalt Terapia e com formação em Psicologia do Esporte pelo CEPPE, Júlia Crespo é a responsável da área na equipe carioca e ao Momento do Esporte comenta um pouco sobre a sua trajetória e os desafios na profissão.

“Durante a graduação, tive a oportunidade de direcionar meus estágios para a psicologia do esporte, permeando algumas modalidades, área que me encanta desde 2014. Além disso, também atuo como psicóloga clínica de adolescentes e adultos no consultório”, comenta Júlia.

A psicóloga iniciou no ano de 2014, um estágio voluntário na VemSer - Esporte & Psicologia, ONG criada há 20 anos pelo psicólogo Raphael Zaremba, técnico a Sodiê Doces/Mesquita/LSB RJ, com o objetivo de utilizar o esporte como um instrumento para transmitir valores e lições de vida a crianças e adolescentes.

“Conheci o basquete feminino lá e foi amor a primeira vista”, explica Júlia que recebeu convite para ingressar na equipe carioca em 2019, na primeira temporada do clube. “Fiquei extremamente honrada com a confiança no meu trabalho e pelo convite.”

Há dois anos na comissão técnica da LSB, Júlia comenta os desafios da procissão. “Um dos principais desafios é o tempo do processo, não temos resultados imediatos. A preparação psicológica não apresentará resultados ocorrendo apenas nos momentos de competição ou “fases ruins”. Não trabalhamos apenas com os aspectos negativos ou queixas, mas também, aprimoramos aptidões que os atletas já possuem”, explana.

“Da mesma forma que os aspectos táticos e técnicos são treinados repetidamente, a parte psicológica também precisa ser. Na LSB, as atletas acreditam, confiam e compram as propostas da comissão técnica e o crescimento (tático, técnico e psicológico) que estão tendo é reflexo disso. Não é do dia para a noite, mas estabelecer essa relação é um facilitador na evolução apresentada”, acrescenta.

Júlia reforça que a preparação psicológica, “não será eficiente se ocorrer apenas nos momentos agudos das competições, ou em fases negativas, como acontece freqüentemente. Por ser um processo de aprendizagem, o trabalho do psicólogo demanda tempo. É um engano acharmos que a psicologia do esporte só trabalha com os aspectos negativos, problemas ou queixas especificas”.

“É possível aprimorar as aptidões que as pessoas já possuem. Da mesma maneira que os aspectos táticos e técnicos são exaustivamente treinados, a parte psicológica também carece de treinamento e tempo para se obter resultados consistentes”, destaca.


 Com a pandemia de Covid-19 os desafios aumentaram e a psicóloga explica à reportagem como foram as adaptações. “A pandemia foi um atravessador enorme no trabalho, mas não nos impediu de dar continuidade em nossa preparação. Um dos grandes desafios foi conseguir adaptar as nossas atividades em grupo para o ambiente virtual.”

Júlia comenta ainda como é o dia a dia com a equipe. “Acompanho os treinos e jogos, quando possível, as viagens também. Faço observação dos treinos para alinhar minhas propostas com o que está sendo vivido por elas, além dos atendimentos individuais, rodas de conversa e dinâmicas de grupo para colocar em prática nosso trabalho”.

“A psicologia do Esporte não dá conta apenas de melhorar o desempenho das atletas, mas também constrói junto com elas, habilidades e competências que podem ser utilizadas dentro e fora de quadra. Por isso a importância do trabalho para a formação do ser humano, além de atleta”, reforça Júlia sobre a importância do trabalho.


“A psicologia do esporte pode auxiliar atletas a vencerem, mas não é uma solução mágica. O processo precisa ser olhado como parte de um todo, uma “engrenagem", junto com as outras áreas que compõem a comissão técnica. Afinal, profissionais sozinhos, não dão conta da complexidade do esporte. A(o) psicólogo deve ser mais um integrante a compor a comissão técnica, não um elemento desconhecido”, conclui.


Fotos - Divulgação


Moura Nápoli

Moura Nápoli

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JORNALISTAS OPINAM SOBRE PROPOSTA DE ALTERAR PERÍODO DE REALIZAÇÃO DA COPA DO MUNDO

AO MOMENTO DO ESPORTE, ALEX FERREIRA, JÉSSICA CORSI E VANDER LUIZ ROSA ANALISAM Por Daniel Nápoli Há meses, a FIFA criou um grupo para e...

OS GRANDES PARCEIROS

OS GRANDES PARCEIROS
Tecnologia do Blogger.